sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Escatologia - o estudo do "fim dos tempos"

Escatologia é o estudo teológico e filosófico sobre o chamado "fim do mundo", "fim dos tempos", ou os últimos acontecimentos da história da humanidade. Os fundamentos para este estudo partem da fé e da revelação de Deus, pois quando se trata de futuro, sabemos que cientificamente tudo é abstrato. Como diria Shakespeare, “Há mais mistérios entre o céu e a terra do que a nossa vã filosofia possa imaginar”.

De que nos serve este estudo?
Ao homem contemporâneo pode parecer perda de tempo preocupar-se com o fim dos tempos, já que a luta do dia-a-dia parece tão intensa e desafiadora. De fato, as escrituras dizem que os desafios de cada dia nos bastam, e que confiando em Deus nada nos faltará. Mas é esta mesma crença que nos remete a refletir: "de onde venho?", "para onde vou?".

No início dos tempos, Deus criou tudo o que existe e viu que era bom. Em seu processo de criação, fez uma criatura em particular, a única capaz de reflexões como esta. Deu-lhe o status elevado de filho e, junto a isso o livre arbítrio, isto é, a capacidade de escolher seu destino. Todas as demais criaturas apenas seguem instintos, mas o ser humano pode ir mais além. Ele pode planejar a sua vida de acordo com suas escolhas.

Por que Deus deu o livre arbítrio ao homem? Porque sendo amor, quis dar ao homem, criado à sua imagem e semelhança, a opção livre de amá-lo. Se não fosse assim, que mérito haveria no homem em amar a Deus sobre todas as coisas se ele não soubesse fazer outra coisa? Qual a diferença entre um robô e um homem? Portanto, o livre arbítrio foi um presente dado ao homem que, sendo bem usado, leva à plenitude do amor.

Por outro lado, o homem pode escolher estar longe de Deus e seguir seus próprios instintos, comportando-se como um animal ou, pior ainda, como um deus em si mesmo - autossuficiente. Comportar-se desta forma caracteriza o primeiro e o maior pecado do homem, aquele que dá origem a todos os demais. Este chama-se soberba - fazer-se igual a Deus.

Como sabemos - através das Escrituras - o primeiro homem experimentou, num primeiro momento, a intimidade com Deus. Mas também soube cair na tentação e experimentar a ganância espiritual, a soberba. Daí foi expulso do Céu e deu início ao tempo da militância. O tempo intermediário entre a criação e o fim dos tempos.

Portanto, a utilidade deste estudo está justamente em nortear a nossa vida diante do fato de que todos nós seremos julgados. Pelos nossos atos e omissões. Tudo o que fazemos ou deixamos de fazer nesta vida será revelado diante de Deus e de todos. Nada ficará impune. Por isso, devemos tomar o devido cuidado para não subestimar a justiça de Deus, que é tão implacável quanto o seu amor. Hoje só queremos pensar o amor de Deus e preferimos não pensar em sua justiça sobre nós. Mas ela também agirá, e não será como uma vó complacente. E neste julgamento, o que menos contará serão nossas boas intenções.

Nos próximos artigos vamos ler sobre:


Nenhum comentário: